e dessa liquidez, b e b a

rio que transborda ~ águas de dilúvio ~ desaguando em qualquer mar ~ todo o mar ~ maré cheia

terça-feira, 29 de julho de 2008

sobre começos ou momentos que fotografo na memória


Dança mais perto
Perto de mim
Chega aqui
De rabo de olho
E de saia também
Te vejo
Te sinto
Rodo e te vejo
E te sinto

Mas não olho
Vejo. Não olho
Sinto. Não toco.

Te perdi do meu olhar!
Ai, e ainda levou meu ar!
Onde andas?
Ah.. no bar
O olho enxergou
O ar voltou
Com tua graça risonha
Agora dança mais.

De novo! O ar!
Roubou de mim
Ali, longe!
Aqui, agora.

Vês? Ah, vê!
Certeza tenho! Me procuras também, te vejo me olhando,
Só quando não me vês
Dançando, disfarçando. Talvez?!

Vai mesmo?
Já?
Pena, pena..

Abraço apertado. Parabéns
Adorei, foi mais que demais.
Já te parabenizei?
De novo,
É que foi demais.
E esse medo de olhar no fundo?
Ai.

Volto contigo
Pra casa
Contigo

Não no branco, no verde.
Não no passageiro, no guia.

Voltarei contigo
No passageiro
No branco
No vidro
Tamborim.
Ou caixinha de fósforos
por mim....

img: Yasuhide Fumoto

sexta-feira, 25 de julho de 2008

segunda-feira, 21 de julho de 2008

conversa de elevador

- Mas, mãe, se eu não falar a professora pode descob...

- Filhô, eu já te avisei! Se você não fez o dever NÃO É PRA FALAR QUE NÃO FEZ! Não se acusa assim! Espera ela perguntar e aí vo...

- Mas, mãe! Ela vai descobrir e aí vai ser bem pior!

- Deixa ela descobrir! Você fala que não lembrou... melhor que ficar se denunciando, ouviu? Vai que ela nem confere os deveres? Você sai na melhor!

- Mas...

- Entendido, né Gabriel?!

sábado, 19 de julho de 2008

então é assim:

img: Alissa Monks, the last call, 2002

é assim que saio da tua vida
sem tristes despedidas, sem lágrimas no rosto, sem gritos de sufoco.
saio assim, feito a rainha do samba; com um triste sorriso no rosto mas com gingado nas ancas.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

o que afeta e rasga, tange e quase tinge de uma cor furtiva - que foge da vergonha - é esse conta-tudo-que-faz. olha, eu sou assim!, e dança e requebra feito mamulengo, exagerando as articulações, deixando os joelhos tronxos. uma queda inevitável, diriam, se não fosse uma mão por trás, firme na cintura.
ai, bonequinha de luxo... ha ha ha! de luxo??
de seda ou de pano?

tá mais pra pano. surrado e remendado com agulha de farpa, remendo de festa de anteontem, sujo de vinho e de bolo, de riso forçado, de gozo e de raiva.

um trapo, por assim dizer.




..e são tantos assim, que andam por aí, fingindo ser o que já nem sabem se já foram.